domingo, julho 01, 2012

De uma vez, por todas

Cuidadosamente escolhi as músicas que me davam arrepios,
que me remetiam às lembranças.
Se era para chorar, que fosse de uma vez.
Chorar até doer. Doer até a dor, mercê.
A cada música uma lembrança, uma saudade, um dia, um alguém.
Então aqui estou, cheia de dores, que latejam e dilaceram.
Se é para chorar, que seja de uma vez.
Chorar até dormir. Dormir, dor em mim.
As músicas enchem o meu quarto com melodias,
 que outrora preencheram outros ares, lares, lugares.
Agora, aprisiono-as na solidão que me nina para não sentir tanto as feridas, que não consigo cicatrizar.
Gritar, chorar, dormir. Loucura, desespero, paliativo.
Se for, que seja. De uma vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário